Segurança cibernética no setor elétrico: Medidores Inteligentes

Segurança cibernética no setor elétrico: Medidores Inteligentes

O setor elétrico é um alvo atraente para ataques cibernéticos, ao ser essencial para o funcionamento da sociedade. As redes de energia elétrica são complexas e interconectadas, o que dificulta proteger contra ataques.
Tempo de leitura: 4 min

A Segurança Cibernética no Setor Elétrico é uma abordagem essencial para proteger os sistemas elétricos e auxiliares contra ameaças cibernéticas prejudiciais, como ataques de hackers e  infestações por malware*.

*Malware: termo que descreve qualquer software malicioso projetado para prejudicar ou explorar qualquer dispositivo, serviço ou rede programável. Os criminosos cibernéticos costumam usá-lo para extrair dados que podem ser utilizados das vítimas para obter ganhos financeiros.

Com a crescente digitalização e automação das redes elétricas, a dependência de tecnologias de informação e comunicação tornou o setor elétrico mais vulnerável a esse tipo de ataque. Esses ataques podem resultar em interrupções no fornecimento de energia, danos físicos a equipamentos e até ameaças à segurança pública.

Como acontece um ataque cibernético em redes SCADA ou ICS?

1. Acesso Inicial:

📩Spear-phishing: Nessa etapa, os atacantes utilizam técnicas de engenharia social* para enviar e-mails ou mensagens falsas que parecem legítimas. O objetivo é enganar os destinatários para que eles cliquem em links maliciosos ou baixem anexos comprometidos.

🦠Infecção por Malwares: Caso o alvo caia na armadilha do spear-phishing, o atacante pode implantar malwares no sistema da vítima. Eles podem ser cavalos de Troia (trojan), ransomware ou qualquer outro tipo de software malicioso projetado para comprometer a segurança do sistema.

*Engenharia social é uma técnica usada por criminosos virtuais para induzir usuários desavisados a enviar dados confidenciais, infectar seus computadores com malware ou abrir links para sites maliciosos. Os criminosos usam uma variedade de técnicas para enganar as vítimas, incluindo:

- Pseudônimos: Os criminosos podem se passar por pessoas ou organizações de confiança, como bancos, empresas de tecnologia ou órgãos governamentais.
- Pressão psicológica: Os criminosos podem usar ameaças ou intimidação para pressionar as vítimas a ceder.
- Sensação de urgência: Os criminosos podem criar uma sensação de urgência, fazendo com que as vítimas tenham medo de perder algo se não tomarem uma ação rápida.
- Manipulação emocional: Os criminosos podem usar técnicas de manipulação emocional para ganhar a confiança das vítimas.

2. Reconhecimento:

🌐Aprendizado sobre as Redes de Computadores: Nessa fase, os atacantes exploram a rede e identificam seus alvos e vulnerabilidades. Eles procuram entender a topologia da rede e a localização de sistemas críticos.

💾Extração de Informações: Os invasores coletam informações sobre a infraestrutura, configurações e dados de interesse. Isso os ajuda a planejar os próximos passos do ataque.

3. Roubo de Credenciais:

🔐Nomes de Usuários e Senhas: Os atacantes buscam roubar credenciais válidas para acessar sistemas e dispositivos críticos. Isso pode ser feito por meio de ataques de força bruta, onde tentam várias combinações de nomes de usuários e senhas até encontrar as corretas. Para minimizar os ataques, recomenda-se o uso de 2FA ou Autenticação de 2 Fatores no Brasil.

🚨Escalação de Privilégios: Uma vez que os invasores obtêm credenciais, eles podem tentar elevar seus privilégios para ganhar acesso a sistemas de alto nível e executar ações mais prejudiciais.

4. Movimento Lateral:

🔎Investigação nos Sistemas Alvos: Os atacantes exploram os sistemas comprometidos, procurando outras máquinas ou dispositivos que podem ser usados como ponte para avançar na rede.

🛡️Interação com Dispositivos: Os invasores interagem com dispositivos e sistemas para entender melhor seu funcionamento e buscar oportunidades para realizar ações prejudiciais.

5. Etapas Finais:

️🔁Execução de Comandos: Os atacantes executam comandos que podem causar interrupções, alterações ou danos ao funcionamento dos sistemas alvos.

🔏Alterações no Funcionamento de Dispositivos: Os invasores podem modificar as configurações dos dispositivos para alterar seu comportamento, prejudicando o funcionamento normal.

⚙️ Mudanças de Configurações: Os atacantes podem fazer mudanças maliciosas nas configurações dos sistemas, visando comprometer a segurança, afetar a operação ou obter controle indevido.

Normalmente há também a criptografia de arquivos que os atacantes pedem a senha por meio de pagamentos milionários em bitcoin ou outras moedas digitais.

Ataques cibernéticos recentes:

O setor elétrico brasileiro tem sido alvo de uma série de invasões cibernéticas nos últimos anos. Em 2021, a empresa de energia elétrica Light foi alvo de um ataque que causou uma interrupção no fornecimento de energia para mais de 2 milhões de pessoas no Rio de Janeiro.

Em 2022, a empresa de energia elétrica Enel foi alvo de um ataque que causou uma interrupção no fornecimento de energia para mais de 1 milhão de pessoas na região metropolitana de São Paulo.

Esses ataques têm gerado preocupações sobre a segurança do setor elétrico brasileiro. O setor é essencial para a economia e para a sociedade, e uma interrupção no fornecimento de energia pode ter um impacto significativo na vida das pessoas.

O governo brasileiro tem tomado medidas para melhorar a segurança cibernética do setor elétrico. Em 2021, o governo criou o Centro Nacional de Coordenação de Incidentes Cibernéticos (CNCI), que é responsável por coordenar a resposta a ataques cibernéticos em infraestruturas críticas, incluindo o setor elétrico.

O governo também tem trabalhado com empresas de energia elétrica para melhorar a segurança cibernética de suas redes. Essas empresas estão implementando medidas de segurança, como firewalls e antivírus, e estão treinando seus funcionários sobre segurança cibernética.

As medidas de segurança cibernética no setor elétrico incluem:

1. Proteção de Infraestrutura Crítica: Empresas elétricas devem identificar e proteger infraestruturas críticas, como usinas, subestações e sistemas de transmissão, contra ataques cibernéticos.

2. Monitoramento e Detecção: Sistemas de monitoramento em tempo real são fundamentais para identificar comportamentos anormais nos sistemas, sinalizando possíveis intrusões ou ameaças.

3. Segurança de Rede e Comunicação: É crucial proteger as redes de comunicação para evitar acesso não autorizado e interceptação de informações sensíveis.

4. Atualizações de Software: Manter sistemas e softwares atualizados com correções de segurança ajuda a mitigar vulnerabilidades conhecidas.

5. Treinamento e Conscientização: Educar funcionários sobre práticas seguras de TI é vital para prevenir ataques baseados em engenharia social.

6. Isolamento de Redes Críticas: Separar redes operacionais das de TI evita que um ataque afete diretamente os sistemas de controle.

7. Gestão de Acesso: Controles rigorosos de acesso garantem interações apenas por pessoal autorizado.

8. Resposta a Incidentes: Planos de resposta a ataques cibernéticos ajudam a mitigar danos e retomar operações normais.

9. Testes de Penetração: Avaliar regularmente a resistência dos sistemas a ataques via testes de penetração.

HVEX firmando o compromisso com a segurança de nossos clientes!

A segurança é uma parte essencial da arquitetura dos nossos medidores na Hvex. Desde o início, nossa abordagem foi integrar medidas de segurança sólidas. Implementamos criptografia de ponta a ponta para proteger os dados transmitidos e coletado e garante que apenas as partes autorizadas possam acessar esses dados.

Também seguimos o princípio de isolamento e segmentação de redes na arquitetura dos medidores. Isso significa que cada medidor opera em seu próprio ambiente virtual, reduzindo o risco de ataques se espalharem.

Para garantir a autenticidade e a integridade, adotamos medidas rigorosas de controle de acesso. Apenas pessoas autorizadas têm permissão para interagir com os medidores e acessar seus dados. Protocolos de autenticação robustos também são implementados para verificar a identidade dos usuários.

Realizamos testes regulares de segurança, incluindo testes de penetração, para identificar vulnerabilidades e aplicar correções. Nosso compromisso é manter a segurança dos nossos medidores atualizada para enfrentar ameaças em constante evolução.

Nossa prioridade é oferecer aos clientes uma solução confiável e segura para suas necessidades no setor elétrico. A arquitetura dos nossos medidores reflete nosso compromisso com a excelência em segurança, seguindo os critérios rigorosos das concessionárias. Com nossos medidores, você pode confiar na segurança das suas operações elétricas.

Sobre o autor:

Bruna Maia
Formada em Jornalismo pelo Centro Universitário Teresa D’ávila (UNIFATEA) e social media designer.

Você está lendo sobre:

Artigos recomendados:

Inscreva-se em nossa newsletter!

Mantenha-se atualizado!
Receba todas as postagens mais recentes diretamente na sua caixa de entrada.